16 março 2007

clique
  • processoespaço: teatro desessência
  • 9 comentários:

    ronaldo braga disse...

    clarissa parabens por esse belo material, eu gostaria muito que todas as escolas de teatro tivessem
    acesso a esse dinamico material:
    serve como estudo critico;
    serve como estudo comtemplativo;
    serve como deleite.
    continua com esta pesquisa o rumo é esse

    Maria disse...

    Cada vez mais desfruto de ti e de tua essência. Tudo é presente para mim.

    Braga e Poesia disse...

    eu sou uma pessoia que gosto muito de tuas ideias, eu vou enviar por email alguns textos tetrais meus. te mandei um email, e em maio meu blog vai ser em tua hoemenagem e de Ana rusche poeta paulisatana.

    Braga e Poesia disse...

    eu devo estar bebado de sono pois transformei o portuguÊS.
    BEIJOS RONALDO

    Natália Lanza disse...

    Olá Clarissa! Meu nome é Natália Lanza e assisti a sua apresentação no Centro de Cultura de Belo Horizonte no sábado dia 21/04. Eu e a minha amiga Dalila conversamos com você ao final da apresentação. O seu trabalho é maravilhoso!! Estou realmente encantada com tudo e vou "utilizar" o seu(s) blog(s) para poder conhecer mais sobre o que você vem desenvolvendo. Agradeço a atenção que você dispensou a nós duas!! O link do meu humilde blog é www.simplesmenteisso.blig.com.br Você, e seus possíveis comentários, serão muito bem vindos!! Peço que me avise, por favor, quando você se apresentar de novo!
    Beijos!

    anjobaldio disse...

    Sempre estou aqui dando uma olhada.

    Danilo disse...

    FINA VOCÊ. SEMPRE. HAHAHAHHA
    TE ADORO.
    LEREI SEU BLOG ASSIM QUE POSSÍVEL.
    AMEI.

    BEIJOOOOS

    DANILO ROXETTE

    Vanessa Pedro disse...

    Oi Claaaaaaaaaaaaaaaaaaaa.
    Falamos disse ainda esta semana quando fui no aniversário do Dimitri. Disse que adoraria pegar o carro e subir até Ouro Preto... Que sabe fazemos isso uma hora dessas. O Gabi é bem parcerio e topa todas, desde que tenha folia e música.
    Ah, a Beluga te mandou um beijo.

    Va.

    Diana disse...

    Sem comentários. "Não há nada para entender, trata-se de algo para fazer", né?