06 agosto 2012

Lançamento do livro CORPOEMAPROCESSO / TEATRO DESESSÊNCIA



Neste corpo físico feito em pedaços, há um corpo unido, como o corpo sem órgãos que se expressa em Artaud – autônomo e anônimo ele se dá um pseudônimo suspenso num paradoxo indissolúvel. Artaud, Blanchot e Bataille definem-se como peças-chave de um grande jogo tecido em rede-rizoma; Deleuze e Derrida estão também aí multiplicados, eles fazem parte da leitura física desse corpoescritura, unido e despedaçado, simbólico e alegórico, orgânico, múltiplo e disperso, que a práxis/teórica desta tese executa na investigação dos espaços da experiência da performance. O discurso acadêmico produzido pela pesquisa e o suporte formal que o recebe estão, aí, radicalmente afetados. A tese, impressa em 19m de tecido, versão primeira composta por quatro volumes separados em rolos, é ilegível. Foram apresentadas, então, dez outras versões em papel, com os quatro livros amarrados em cruz a um pedaço de couro – condição física para que o corpoemaprocesso possa ser lido à luz do dia.
Agora editado pela Editora CRV numa caixa com quatro volumes, estreito e expandido a um só tempo - em pleno sol do meio-dia.

Aqui você o adquire:

http://www.editoracrv.com.br/?f=produto_detalhes&pid=3521

Um comentário:

David Tavares disse...

Adorei a definição, adoro Bataille, parabéns pelo blog. ;)